Poesia & Poesia
Poesia bilingue - italiano e portoghese brasiliano.
Vera Lúcia de Oliveira (Maccherani)
Home Su su "A porta..." su "Geografie..." su "Pedaços..." su "Tempo..." su "La guarigione" su "Uccelli..." su "No coração..." su "A chuva..." su "Verrà l'anno" su "Entre as..." su "il denso..." su "Radici, ..." su "a poesia é..." su "la carne..." su "o musculo..." su "Ditelo a mia..." su "Minha lingua ..." su "Ero in un ..." varie

 

Note critiche su

Minha lingua roça o mundo

di Vera Lúcia de Oliveira (Maccherani)

   Editora Patuá, San Paolo, 2018

 

Testi critici di  Carlos Machado, Daisa Rossetto

"Minha lingua roça o mundo"

Carlos Machado

Estilhaços de vida

 


"Alguma poesia",  poesia.net  n.418  ano 17, 13/03/2019 


Vera Lúcia de Oliveira, 08/2018

Estilhaços de vida

Vera Lúcia de Oliveira

A poeta Vera Lúcia de Oliveira (Cândido Mota-SP, 1958) já é conhecida de quem acompanha este boletim há algum tempo. Ela esteve aqui pela última vez em outubro de 2015, na edição n. 341 do poesia.​net, que punha em destaque seus livros O Músculo Amargo do Mundo (Escrituras, 2014) e A Poesia É um Estado de Transe (Portal, 2010). Agora, a autora retorna, graças ao lançamento recente de sua coletânea Minha Língua Roça o Mundo (Patuá, 2018).

 

Nesse novo trabalho, Vera Lúcia de Oliveira mantém traços essenciais de sua poesia, sempre voltada para a vida de figuras brasileiras, especialmente pessoas mais humildes, suas lutas, sofrimentos e pequenas alegrias.

Embora já resida há décadas na Itália, a poeta não perde a referência das gentes e lugares de seu país de origem. Seu livro Minha Língua Roça o Mundo é uma coleção de poemas, quase sempre curtos, nos quais se traçam retratos de gente brasileira sem nome e sem brilho.


•o•

Para este boletim, selecionei seis poemas do livro. Observo que, neste volume, a autora não agrega títulos aos poemas. Procedo então da forma que aqui já se tornou padrão nesses casos: uso como título o primeiro verso do poema, entre colchetes.

 

O primeiro poema de nossa miniantologia é “[No Beiral da Casa]”. Trata-se de um momento lírico, que se destaca entre tantos outros de amargura e até mesmo de tragédia. É o caso do próximo poema, “[Em Dias de Vento e Frio]”.

Em “[Memória é Medo]” e “[Estava na Cozinha]”, o leitor encontra dois exemplos de solidão, desamparo e, ainda, desencontro familiar. Os versos são curtos e ágeis, sem nenhum colorido ou efeito especial. Os textos se apresentam com a mesma secura dos estilhaços de vida que retratam.


•o•

No poema seguinte, “[Quando Vi o Mar pela Primeira Vez]”, vem mais um momento de lirismo e maravilhamento da pessoa, certamente alguém do interior que tem a oportunidade de conhecer a imensidão do mar.

 

No último texto, “[Retirou uma Planta Renitente]”, ocorre uma mudança de narrador. Em todos os outros, a voz é de alguém que participa, ou participou, da cena e fala em primeira pessoa. Agora, quem tem a palavra é um espectador, que descreve a visita de uma mulher ao túmulo de pessoa muito próxima: marido? filho?


•o•

Há um aspecto interessante no livro de Vera Lúcia de Oliveira. Cada poema, considerado isoladamente, não passa de um pedaço de vida, uma cena, uma lembrança. Após a leitura, os estilhaços se juntam na cabeça do leitor formando um amplo painel de pessoas deserdadas, desgarradas e sofridas que teimosamente lutam para seguir em frente.

no beiral da casa
faziam ninhos as andorinhas
dali partiam rasantes
num diz-que-diz-que de bicos
a casa parece que levitava
de pios e ninhos
em atropelo

tem dias que achava
que o telhado ia levantar voo

em dias de vento e frio
a mãe se levantava de noite
abria a cômoda desempacotava panos
toalhas fronhas lençóis e tudo
o que pudesse cobrir um corpo

a geada passava perto
estendia-se sobre os campos
sem coragem de abater
a pirâmide de trapos e tramas
que ela edificava sobre nós

 

memória é medo
que se entreva
entre as teias
do corpo
memória é osso
sem carne
que cobrimos
da melhor forma
possível
para que não
sangre

estava na cozinha
escolhendo feijão
com a alma solta
no vento
ele veio
me rasgou
por dentro
e nunca mais
tive conserto

 

quando vi o mar pela primeira vez
a emoção foi tanta que adoeci
senti-me abraçada por aquela
extensão de água e céu
onde se podia entrar
e até sumir

retirou uma planta renitente
enfiada entre os tijolos
do jazigo
limpou a superfície do pó
jogou a água morta
de um vaso desbeiçado

ali tinha lugar
para dois, falou
olhando distraída
a água encher de novo
o vaso que ajeitou
com as margaridas

Carlos Machado, "Estilhaços de vida", Alguma Poesia, poesia.net n.418, 17/03/2019

http://www.algumapoesia.com.br/poesia4/poesianet418.htm

Daisa Rossetto

"Ero in un caldo paese""Ero in un caldo paese"

Estão por aí, no mundo, alguns livros que nos encontram e nos levam para lugares que não sabemos localizar no mapa…

 

Esses livros respingam certa nostalgia que nos dias seguintes, ao fechar a última página, ficamos por vasculhar um não sei ao certo o que é, permanece a sensação. É como um sonho que sabemos que tivemos mas não é possível lembrar. A memória foi emprestada para os olhos que chegam – só de leve – onde a língua roçou.

 

Minha língua roça o mundo foi minha leitura numa noite e numa manhã. Eram dias chuvosos, cinzas e silenciosos de janeiro. Sem pressa nem hora, nestas páginas encontrei uma poesia que se esparrama para além dos versos. Está no papel, nas cores e nas fotografias feitas pelas mesmas mãos que fizeram os versos.

 

Minha língua roça o mundo é uma daquelas leituras que fiz e que ficou pairando sobre mim em dias após, nas páginas que revejo marcadas com fitas, nos fragmentos que vou lembrando sem entender. Na palavra que falta e que fica para ser sentida como uma casa antes de mim…

 

 

 

Daisa Rossetto, "Minha lingua roça o mundo"

'Cronicas, Lugares e Café', 13/02/2019

https://www.daisarossetto.com.br/2019/02/13/minha-lingua-roca-o-mundo/

Inizio pagina corrente          Critica           Poesia

(by Claudio Maccherani )