Poesia & Poesia
Poesia bilingue - italiano e portoghese brasiliano.
Vera Lúcia de Oliveira (Maccherani)
Home Su Intervista 01 Intervista 02 Intervista 03 Intervista 04 Intervista 05 Intervista 06 Intervista 07 Intervista 08 Intervista 09 Poetica Intervista 10 Intervista 13 Intervista 14 Intervista 15 Intervista 16 Intervista 18 Intervista 19

 

 
Vera, 2008
 Intervista 19

De Cândido Mota para a Itália:
vendo o mundo através da poesia
em duas línguas

Intervista a
Vera Lúcia de Oliveira
(Maccherani)
di Marta Pereira
o Diario do Vale, Cândido Mota (SP), 16/06/2012

"Samba de Orly" - Toquinho, Chico Buarque


ARTICOLO ®

  1. O que você está fazendo atualmente?

Atualmente sou professora de literaturas portuguesa e brasileira na Faculdade de Letras e Filosofia da "Università degli Studi di Perugia", na Itália. Além do meu trabalho como docente, escrevo poemas, artigos e ensaios, nas duas línguas, português e italiano. Gosto também da tradução e, quando posso traduzo, e publico na Itália autores de língua portuguesa, sobretudo poetas.

Estive na Itália pela primeira vez em 1983, quando ganhei uma bolsa de estudos do Ministério do Exterior da Itália, para fazer um curso de especialização de um ano, na Universidade para Estrangeiros de Perugia.

Perugia é uma bela e antiga cidade da Úmbria, a região que é chamada "o coração verde de Itália". Esta é uma terra de santos, acho que há aqui a maior concentração de santos por metro quadrado do mundo (São Francisco, Santa Clara, São Benedito, Santa Rita de Cássia, Santa Escolástica, Santo Ubaldo, São Valentino, só para citar os mais "famosos"). Acho que isso ocorre porque a Úmbria é verde, bela, suave e poética, com seus vales e montes que se cobrem de flores na primavera e verão, e que se tingem de amarelo, laranja e vermelho no outono, quando a natureza se despede com uma explosão de cores para receber o inverno. Apaixonei-me por esta terra e acabei ficando.

Antes, porém, fui e voltei muitas vezes ao Brasil, indecisa, porque não é fácil deixar o próprio país, sobretudo para mim, que sempre fui apaixonada pelo meu país. Hoje posso dizer que tenho dois corações, come escreveu a amiga e mestra, na vida como na literatura, a Prof. Luciana Stegagno Picchio, da Universidade de Roma "La Sapienza".

  1. Quando resolveu morar na Itália?

Não é que eu tenha resolvido, aconteceu. Conheci meu marido, Cláudio, e foi um amor à primeira vista. Porém, como disse acima, não foi nada fácil, simplesmente porque a gente tem que se acostumar com outra cultura, outro modo de ver e de viver. Isso amadurece, nos leva a ver as coisas de forma mais completa, a não achar que somos o centro do mundo, a não se apegar demais a coisas sem importância. Para dar um exemplo: sempre fui muito apegada a certos objetos (livros, discos, etc..), e acreditava que não poderia viver sem eles. Pois bem, quando a gente muda de casa e de país, não dá para carregar tudo, temos que nos despojar de muita coisa. Assim, aprendi que tudo o que é pesado nos impede de caminhar, e não falo só de peso físico, falo de sentimentos, lembranças, experiências negativas das quais não nos desligamos. Tento ser leve, tento não acumular coisas, como alguém que está sempre pronto para partir. Aliás, nós somos viajantes precários e deveríamos nos lembrar disso a cada momento.

  1. Tem quantas poesias escritas?

Não sei, não contei. Tenho vários livros publicados e dois inéditos. Entre os livros de poesia publicados, no Brasil e na Itália, estão Geografia d'ombra (poesia), Fonèma Venezia, 1989; Tempo de doer/Tempo di soffrire (poesia), Pellicani, Roma, 1998; La guarigione (poesia), La Fenice, Senigallia, 2000; A chuva nos ruídos (antologia poética), Escrituras, São Paulo, 2004; Verrà l'anno (poesia), Fara, Santarcangelo di Romagna, 2005; No coração da boca (poesia), Escrituras, São Paulo, 2006; Entre as junturas dos ossos, Ministério da Educação e Cultura, Brasília, 2006; A poesia é um estado de transe (poesia), Portal Editora, São Paulo, 2010; La carne quando è sola (poesia), Società Editrice Fiorentina, Firenze, 2011. Recebi vários prêmios por esses livros, e isso me ajudou muito, pois, se a poesia tem o seu lado solitário, ela pede também o momento de abertura ao outro, de encontro com o outro, que é o leitor.

  1. Escreve somente poesias ou é adepta de outros gêneros literários também?

Como disse acima, escrevo também ensaios literários.

  1. Escreve em português ou prefere o italiano?

Escrevo normalmente nas duas línguas.

  1. Se lembra de sua cidade natal, Cândido Mota?

Lembro-me muito de Cândido Mota, e a visito todos os anos, porque tenho uma amiga nesta cidade que para mim é mais do que uma irmã, Maria José Godoy. Estudamos na Faculdade de Letras da Unesp. Ficamos depois alguns anos distante e nos reencontramos de novo. Ela esteve já algumas vezes em minha casa na Itália. E ela, e toda a sua bela família, me traz a Cândido Mota, cidade onde nasci, mas que logo depois deixei, com minha família.

Aliás, tive uma infância nômade, pois meu pai, que trabalhava na Empresa Elétrica do Vale do Paranapanema, ia de cidade em cidade, levando a pequena família, que foi aumentando nessas andanças, tanto que cada irmão nasceu em uma cidade diferente. Cresci em Assis e lá estudei. Porém amo Cândido Mota, porque a sinto próxima, é uma cidadezinha que não se descaracterizou como tantas outras do interior, tentando imitar a grande cidade, o que conservou a sua alma.

  1. Sei que também viveu em Assis, tem muitas lembranças de lá também?

De Assis, sim, tenho tantas lembranças, boas e negativas. Lá aprendi o que é a dor, a perda, a morte. E isso nos marca para sempre. Mas lá também aprendi a amizade, a generosidade de tantos amigos, o amor da família e pela família, a ligação telúrica, como diria Drummond, que enraíza a nossa alma no solo. Lá tenho a minha mãe, que é também um laço forte e fundamental com o mundo.

  1. Qual sua formação profissional?

Formei-me em Letras, pela Unesp de Assis, fiz a especialização na Universidade para Estrangeiros de Perugia, depois licenciei-me de novo na Itália, em Línguas e Literaturas Modernas; fiz o doutoramento nas Universidades Federico Secondo de Nápoles e na Universidade de Palermo. Desde então ensino, primeiro na Universidade de Lecce e agora na de Perugia, onde também estudei.

Marta Pereira, o Diario do Vale, Cândido Mota (SP), 16/06/2012

Inizio pagina corrente           Poesia           Pagina iniziale

(by Claudio Maccherani )